quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Opinião :: A Relíquia | Eça de Queirós

Título: A Relíquia
Autor: Eça de Queirós
Editora: Círculo de Leitores
Ano: 1993

Sinopse (retirada da Internet):
Romance saído em folhetins na Gazeta de Notícias, cuja epígrafe se tornou célebre - "Sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia" - por sintetizar a aliança entre realismo e imaginação, naturalismo e fantástico, patente na obra.
Da intriga central - a viagem de Teodorico à Terra Santa, de onde traz, não a relíquia que prometera à tia beata, mas sim, por lapso, a camisa de dormir de uma amante - sobressai o sonho ou a viagem no tempo do protagonista, que, acompanhado pelo seu erudito amigo, Dr. Topsius, assiste à pregação, julgamento e morte de Jesus.
A obra, que exalta a figura humana de Cristo, como paradigma de amor e de bondade, foi considerada herética pelos setores mais conservadores, por questionar a divindade de Cristo.


Opinião:
Desta vez, a minha curiosidade em relação a este livro recaiu sobre o título; uma vez que esta edição não contém uma sinopse, comecei a leitura com uma maior sede de descobrir o que era a tal relíquia.
O início do livro agradou-me mais do que esperava: constatei que iria ser uma história engraçada, apesar das desgraças de Teodorico. No entanto, uma parte da história foi mais descritiva, nomeadamente o relato do dia de Páscoa em Jerusalém, e não me cativou muito, o que me fez abstrair mais da leitura. Fiquei novamente interessada aquando do culminar do caso: foi quando desvendei a relíquia e conheci o destino de Teodorico, bem como a moral da história.
No final, achei este livro muito bom, com um grande ensinamento para a vida: a inutilidade da hipocrisia. Eça de Queirós criou uma história cativante, utilizando uma escrita formal mas cómica, para abordar a religião e os comportamentos da sociedade daquele tempo.
Gostei muito de ler o livro e de viajar, tanto no tempo como no espaço; gostei de ler sobre a viagem a Israel e à Síria e tentei imaginar como seriam estes países no século XIX (com certeza muito diferentes da actualidade...).
Uma boa surpresa: recomendo!

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Opinião :: Gravar as Marcas | Veronica Roth

Título: Gravar as Marcas
Autora: Veronica Roth
Editora: HarperCollins
Ano: 2017

Sinopse:
Numa galáxia dominada pela corrente, todos têm um dom.
CYRA é a irmã do tirano cruel que governa o povo de Shotet. O dom-corrente de Cyra confere-lhe dor e poder, que o irmão explora, usando-a para torturar os seus inimigos. Mas Cyra é muito mais do que uma arma nas mãos do irmão; é resistente, veloz e mais inteligente do que ele pensa.
AKOS é filho de um agricultor e do oráculo de Thuvhe, a nação-planeta mais gelada. Protegido por um dom-corrente invulgar, Akos possui um espírito generoso e a lealdade que dedica à família é infinita. Após a captura de Akos e do irmão, por soldados Shotet inimigos, Akos tenta desesperadamente libertar o irmão, com vida, custe o que custar. Então, Akos é empurrado para o mundo de Cyra, onde a inimizade entre ambas as nações e famílias aparenta ser incontornável. Ajudar-se-ão mutuamente a sobreviver ou optarão por se destruir um ao outro?
Da autoria de Veronica Roth, Gravar as Marcas é um retrato deslumbrante do poder da amizade e do amor, numa galáxia repleta de dons inusitados.

Opinião:
Não criei grandes expectativas em relação a esta leitura, uma vez que não sou fã deste género literário, mas cedo percebi que iria gostar desta história.

Numa galáxia dominada pela corrente, todos têm um dom.

Nesta galáxia, onde existem diferentes planetas e povos, todos têm um dom-corrente e alguns são predestinados. Além disso, caracterizam-se por serem lutadores, tendo inclusivamente escolas de combate, e ao longo do livro testemunhamos vários confrontos.
Através das personagens principais, Akos e Cyra, conhecemos as suas vidas, as suas ligações e o que acontece nestes mundos distintos.
Pensei que me ia custar a interiorizar todos os neologismos criados pela autora (quer os nomes das personagens, quer os elementos que fazem parte da galáxia), contudo achei-os bastante originais e aceitei-os bem. A história em si também foi agradável; gostei das diferenças entre Akos e Cyra e das suas particularidades, pois acabam por se complementar um ao outro. Entre eles surgiu uma relação de amizade que vale a pena conhecer.
Todavia, o final manteve-me em suspenso, ou seja, senti que a história não estava completa e isso desiludiu-me um pouco. Porém, mais tarde descobri que o segundo volume irá ser publicado no próximo ano. Se tiver oportunidade, irei querer ler.
Em suma, este foi um bom livro. Apesar de a história não me ter marcado muito, confesso que foi uma agradável surpresa.

terça-feira, 8 de agosto de 2017

Colecção "Ler Faz Bem" da Revista Visão #8

Olá! Já tenho comigo o meu oitavo exemplar da colecção Ler Faz Bem: O Coração das Trevas, de Joseph Conrad. Esta história parece-me sombria... mas depois irei descobrir!
Quem já conhece esta obra?

Título: O Coração das Trevas
Autor: Joseph Conrad
Editora: Cardume Editores
Ano: 2017

Sinopse:
Publicado em livro em 1902, O Coração das Trevas é um clássico indiscutível da Literatura do século XX. O leitor acompanha a viagem de Marlow pelo Congo em busca do misterioso Kurtz, comandante de um dos postos avançados de uma companhia mercante de marfim. Vivendo situações-limite no interior da selva africana, Marlow encontra finalmente aquele que procura, e que deve trazer de volta à civilização. Considerado uma parábola sobre o Mal, o livro deu origem ao filme Apocalypse Now, de Francis Ford Coppola.

sábado, 5 de agosto de 2017

Opinião :: Se Eu Fosse Tua | Meredith Russo

 Título: Se Eu Fosse Tua
Autora: Meredith Russo
Editora: Nuvem de Tinta
Ano: 2017

Sinopse:
Mudar de escola no último ano e ser a miúda nova do liceu nunca é fácil para ninguém. Amanda Hardy não é excepção: se quiser fazer amigos e sentir-se aceite, terá de baixar as defesas e deixar que os outros se aproximem. Mas como, quando guarda um segredo tão grande? Quando tenta a todo o custo esconder o seu passado e começar uma vida nova?
Para piorar as coisas, apaixona-se perdidamente pelo rapaz mais popular do liceu e tudo o que mais quer é contar-lhe a verdade. Será que ele é tão especial quanto parece? Poderá confiar nele?
Uma história inspiradora e comovente que nos enche o coração e nos ensina que o amor mais verdadeiro e profundo nasce da coragem de sermos nós mesmos.

Opinião:
Este livro foi uma surpresa para mim. Quando ouvi falar sobre ele, nunca imaginei que o assunto fosse a transexualidade, muito menos que se baseasse na vida da própria autora. Não é todos os dias que se lêem livros sobre este tema, por isso, quando tive a oportunidade de o ler, fiquei extasiada!
A história de Amanda marcou-me muito. Logo de início criei uma grande empatia com ela e gostei cada vez mais dela à medida que ia descortinando a sua vida. Esta ligação permitiu-me sentir as suas emoções e compreender melhor o lado de quem passa por estas mudanças. Senti também compaixão nos momentos mais frágeis e difíceis mas, ao mesmo tempo, achei-a uma jovem forte e determinada, um grande exemplo para todos, especialmente para os transexuais. Tive mesmo vontade de ser amiga dela!
Contudo, achei a história um pouco superficial, ou seja, achei que deveria ter sido um pouco mais desenvolvida. Talvez este defeito tenha a ver com o facto de querer saber mais sobre este caso. Não foi por isso que deixei de gostar da história: antes pelo contrário! 😉
Além de todo o enredo, gostei da mensagem transmitida pela autora: uma mensagem de esperança e integração, bem como de compreensão e aceitação.
Numa escrita informal e acessível, Meredith Russo dá-nos uma visão mais próxima de todo este processo e de todas as pessoas envolvidas. Este livro pode muito bem quebrar barreiras e estereótipos e até mudar vidas.
Um livro de leitura obrigatória!

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A ler :: A Relíquia | Eça de Queirós

A Relíquia, de Eça de Queirós

Esta é a minha actual leitura: A Relíquia, de Eça de Queirós. Como podem ver, este livro é uma edição especial de capa dura, pertencente a uma colecção de obras deste autor, do Círculo de Leitores.
Não me falta muito para o acabar de ler; em breve espero partilhar a minha opinião!

Este livro é de 1993 e as suas páginas já mostram sinais do tempo: para mim, tornam-no ainda mais especial!